• Facebook Basic Black
  • Instagram Basic Black
  • Black Vimeo Icon
  • FHG_3473-2-1

© 2020 BY FELIPE HENRIQUE GAVIOLI

PAROLE AL DENTE

12.09.2015

Agora, apenas absorver os sons. Amanhã a esperança de despertar e sentir os acalantos da água pernoitada, reverberando. Na parede, na calçada, na grade preta cheia de pixo. Na insistência do mesmo caminho. Na arquitetura de morar. Nos olhos e nos pés sôfregos daqueles da rua. Uníssono sopro de silêncio nas folhas, troncos e verdes, firmes. Sutil e breve conciliação entre o homem e a natureza.

20.01.2015

 

Acordo com sede. Estava sonhando com fotografias. Estava sonhando na inutilidade de um monte de fotógrafos reunidos olhando para a mesma cena. Isso é um negócio que funciona bem solitário. Mas deixa pra lá. Arrasto os pés até a cozinha, respeitando a escuridão e também minhas retinas, apenas com a luz da lua iluminando alguma coisa. Como bom coruja, no caminho procuro o Elvis. Lá está alguma coisa ali na porta da sala, perto do chapeleiro, deve ser ele deitado. Teimoso, poderia estar na varanda, está bem mais fresco. Talvez ele pense o mesmo de mim. Ouço qualquer coisa, deve ser ele que mexeu uma pálpebra e meia pata ao ver essa coisa estranha passar com a elegância de um pato de boia na calçada esburacada.

Depois de colocar fim à sede por um período de cinco minutos, aproximadamente, vou até a janela dos fundos. Gosto de olhar a casa vizinha atrás do prédio. O pessoal fez reuniões que definiriam a realização da 'Semana de Arte de 22' por ali, quem sabe não me dá alguma mísera ideia. Até hoje nada, mas vale pela corrente de ar. Olho sempre sua arquitetura em um triunfante plongeè absoluto. Parece sempre o prelúdio de alguma cena cinemática. 

Sempre penso que estou no quintal dessa casa, de fato estou. Mas do décimo quinto, que não é tão baixo. Olho na sacada dos fundos da casa e parece que há dois seguranças engravatados tomando um pouco de ar fresco entre as antigas pilastras. Lá na época do onça não havia prédios, portanto deveria ser uma bela vista para os jardins, fontes e natureza domada. Mas logo retomo e penso que deve ser muito chato ser segurança e engravatado, de um lugar que nem deve ter muito risco de assalto, mesmo para o padrão nacional que roubam qualquer coisa, mais ainda, ter que passar a noite de trabalho acompanhado de outro cara que faz a mesma função sonolenta que você e também é engravatado por uma instituição. Ou seja, nesse caso a inutilidade vem dobrada e uniformizada. E ainda por cima não se mexem, olham o vazio, cada um de um lado da varanda fazendo uma leve sombra no pátio, oriunda da luz amarelada que ilumina o espaço. Acho que estão sem assunto também, porque não ouço um pio. Também não estão fumando. Já devem saber de cor e salteado quantas folhas têm em cada árvore do quintal, se bobear deram nomes ou apelidos a elas. Olho para os prédios vizinhos em busca de algum outro cidadão infeliz que perdeu o sono e se debruça na janela em repúdio ao calor, mas logo volto a olhar para baixo e a monotonia continua intacta, mas um pouco mais embaralhada. Um pouco mais distante e bem mais real.

Desconfio dessas imagens, na verdade sempre desconfiei, deixei levar. As sombras da madrugada já fazem parte de mim e também sou sombra e dia. Vou atrás de um par de óculos, tateio a mesa e encontro um. Refaço o caminho inicial, como um perito policial refaz a cena do crime. Vejo primeiramente que infelizmente não é tão tarde e essa noite promete, como vejo também que o Elvis realmente estava ali na porta, com o focinho voltado para a parede, do tipo não me incomode - volte amanhã. Tenho meu olhar atirado para as sombras que fazem múltiplos contrastes em preto e branco na sala, são bonitas, são geométricas e modernistas. Olho um tempo para o teto e descubro mais contornos e formas, depois retorno por alguns segundos para a janela dos fundos, apenas para me certificar. Inclino minha cabeça para ver finalmente que as pessoas da casa são apenas sombras de frutos míopes e silenciosos, esculturados e arquitetados desde mil novecentos e bolinha.

20.11.2012

 

No sétimo compasso, foi sua última dança. O silêncio crava. As mãos desvanecem. Passo a feira de quinta. Derramo a feira de quinta. O gato contempla os passos. Passo a contemplação. Passo alto. Passo eu. Passo de leve. Passo também o terraço, passo o banco de madeira. Passo. Passo o pé de manga, passo o pé de goiaba, passo o pé de pêssego, passo o pé de cana, passo o pé de flor, passo os pássaros inquilinos. Passo este verão. Passo por passo. Passo o relógio. Passos perdidos, passos ganhos, fulgurantes passos. Se inflamam emoções simples, emoções nuas, emoções sem enredo. Orquestrações baratas, naipe de metais repercutem em exclusiva missão de rodopiarem os velhos corpos. Dividem os suspiros. Dividem a água pura. Dividem o salão. Dividem a pura sensação. São abrigos. Telhados não tem cor. Cor somente no verde. Das externas paredes. Em cores. Sem ter tempo de se perder, sem ter tempo de abrir a porta para sonhos se atreverem em azuis. Sol rachando o dia. Muito clarão, tempo. Irrefletidos momentos. Caminhos pisados. Saraus reprimidos. Poucas palavras, míseros sorrisos sem afobação. Do segundo. Da dança. Sem quase. O sol é refletor dos velhos. Qualquer coisa de finito. Escalda sol, sopra. Duas horas e meia para a crescente lua. Nem quinze minutos separam a casa que é seu lugar, da dança em décadas de bemóis. Calça os sapatos e dança com sua velha mulher. Meu velho. Abotoa tua velha camisa branca. Na sala acanhada, o telefone divide o quadrado com o tapete tentando silenciar os passos. O cochilo alumia o prelúdio da dança. Fevereiro é quentura. Na televisão os três tentos da seleção brasileira sobre os americanos de camisa azul marinho e gola vermelha. O copo americano vazio aguarda o vinho seco do garrafão dormente, em chão frio. De talher apenas o garfo, que raspa elegante a comida sobre prato de vidro marrom. Almoçou meio-dia e pouco como sempre. Olha no alto. Orvalho preguiçoso desperta o mato. Sopra a manhã. Sopra o topo das árvores. Verte a dança, sopra o sétimo compasso. 

11.10.2010

 Poderia ser um ensaio literário, mas é letra de uma das belas canções de Chico. Na vertente que particularmente mais me impressiona e me toca do trabalho do genial compositor, quando ele é cronista das relações humanas à partir de um personagem central que se abre ao mundo em desopressão. 

 

Interessante observar para quem leu "Leite Derramado", essa letra, aí sim me parece uma espécie de ensaio dessa obra posterior, pois segue linha narrativa e temática bem próxima. E como muitas composições de Chico, é possível lê-las prazerosamente sem necessariamente ter aos ouvidos o acompanhamento musical.

 

Segundo declarações do próprio Chico, em seu site, "O velho Francisco nasceu de um sonho com uma preta velha que contava uma história num fundo de cozinha e pedia com a voz cava e arrastada: "Fecha a porta! Fecha a porta!". A preta velha sumiu no processo, mas o clima do sonho marcou a canção."

 

O Velho Francisco
(Chico Buarque)

Ano de composição: 1987

Gravação recomendada: Mônica Salmaso, álbum "Noites de Gala, samba na rua"

 

Já gozei de boa vida

Tinha até meu bangalô

Cobertor, comida

Roupa lavada

Vida veio e me levou

 

Fui eu mesmo alforriado

Pela mão do Imperador

Tive terra, arado

Cavalo e brida

Vida veio e me levou

 

Hoje é dia de visita

Vem aí meu grande amor

Ela vem toda de brinco

Vem todo domingo

Tem cheiro de flor

 

Quem me vê, vê nem bagaço

Do que viu quem me enfrentou

Campeão do mundo

Em queda de braço

Vida veio e me levou

 

Li jornal, bula e prefácio

Que aprendi sem professor

Freqüentei palácio

Sem fazer feio

Vida veio e me levou

 

Hoje é dia de visita

Vem aí meu grande amor

Ela vem toda de brinco

Vem todo domingo

Tem cheiro de flor

 

Eu gerei dezoito filhas

Me tornei navegador

Vice-rei das ilhas da Caraíba

Vida veio e me levou

 

Fechei negócio da China

Desbravei o interior

Possuí mina de prata, jazida

Vida veio e me levou

 

Hoje é dia de visita

Vem aí meu grande amor

Hoje não deram almoço, né

Acho que o moço até

Nem me lavou

 

Acho que fui deputado

Acho que tudo acabou

Quase que

Já não me lembro de nada

Vida veio e me levou

Please reload